É provável que tenha lido a reflexão na Internet: "Acostumamo-nos", é muito interessante e se ainda não o fizeste enviar-vos-emos:
A gente se acostuma ...
morar em nossa casa e não ter outra vista senão as janelas ao redor.
E como estamos acostumados a não enxergar, acostumamo-nos a não olhar para fora.
E como não olhamos para fora, acostumamo-nos a não abrir totalmente as cortinas.
E porque não abrimos as cortinas completamente, acostumamo-nos a acender a luz mais cedo.
E à medida que vamos nos acostumando, esquecemos o sol, esquecemos o ar, esquecemos a amplitude.
A gente se acostuma ...
Acordar assustado porque estávamos atrasados.
Para tomar café porque estamos atrasados.
Comer um sanduíche porque não dá tempo de comer à vontade.
Sair do trabalho porque já é tarde.
Para um jantar rápido e dormir com o estômago pesado, sem ter sobrevivido ao dia.
A gente se acostuma ...
Ficar o dia todo esperando e ouvir no telefone: -Não posso ir hoje.
Sorrir para as pessoas sem receber um sorriso em troca.
Para ser ignorado quando precisávamos tanto ser vistos.
Se o trabalho é árduo, nos consolamos pensando no fim de semana. E pior ainda, tornamos nosso trabalho pesado, e outros, vivendo em críticas destrutivas e semeando discórdia por falar negatividade e ainda sem qualquer argumentação.
E se não há muito o que fazer no final de semana, vamos dormir cedo e nos acostumamos a ficar satisfeitos porque sempre dormimos tarde.
Acostumamo-nos a salvar vidas que, aos poucos, ainda se gastam e que uma vez gastas, porque nos acostumamos, perdemos viver.
Alguém disse: A morte está tão certa de sua vitória que nos dá uma vida inteira de vantagens.
Não vamos nos acostumar e viver a vida ao máximo !!!
Aplicando isso à vida diária:
Quantas coisas nos acostumamos e acreditamos que não podem ser de outra forma?
Quantas coisas nos acostumamos e paramos de insistir na mudança?