Precisa-se:

Um exército pacífico e unido que acredita no valor das pequenas coisas. Pessoas que constroem história e não se deixam levar pelos acontecimentos.

Mais corações desarmados, em um mundo cheio de guerras. Almas magnânimas em uma sociedade interessada.

Espíritos fortes por um século de mediocridade. Mais trabalhadores e menos críticos.

Mais cidadãos que dizem: “Vou tentar fazer alguma coisa”, e menos que se contentam com: “É impossível”.

Um número maior de corajosos que mergulha no fundo do problema para resolvê-lo e um número menor de fatalistas se acomoda na omissão.

Mais amigos para arregaçar as mangas conosco e menos devastador para apontar apenas falhas.

Mais pessoas que guardam esperança e menos frustradas que carregam toneladas de desânimo.

Mais personalidades que perseveram e menos colegas que começam e nunca terminam. Mais rostos sorridentes e testas menos turvas.

Mais companheiros bem estabelecidos na realidade e menos sonhadores aguardando ilusões passageiras.

Precisamos urgentemente, sem falta: um mundo em mãos beneficentes brilhando uma luz, para iluminar o pessimismo da multidão. Um fósforo na mão ... pequeno, mas tão importante! Pequeno, insignificante, mas como ilumina dissipando as trevas!

Autor desconhecido

A lista de “necessidades” é muito interessante. O maior problema é que muitos de nós fazemos listas semelhantes a esta, procurando Deus e outros que ajudem a preencher o vazio que expomos, quando na realidade deveríamos nos abrir às possibilidades de sermos a resposta ao "necessário" de tantos. outros ao nosso redor.
Deus em nós é esperança de mudança e bênção - não apenas para nós - mas para os outros.
Ousemos ser instrumentos de bênção nas mãos do Senhor.
Vá em frente e que Deus continue a abençoá-lo.

Raúl Irigoyen
O Pensamento do Capelão