Havia uma mulher nobre, muito rica, que se cansou da vida. tinha tudo que uma pessoa poderia desejar, exceto felicidade e alegria. Ela disse: Estou entediado com a vida. Eu vou para o rio e vou acabar com ela.

Enquanto caminhava sozinha, ela sentiu uma pequena mão puxando sua saia.

Ele olhou para baixo e viu um menino pequeno, frágil e aparentemente faminto implorando a ele: Somos seis. Estamos morrendo de fome!

A mulher pensou: por que não socorrer esta família miserável? Eu tenho os meios e minha riqueza não será mais usada quando eu morrer.

Ele seguiu o menino e entrou naquele cenário de miséria, doença e necessidade. Ela abriu a carteira e esvaziou seu conteúdo.

Os membros da família ficaram ao seu lado com alegria e gratidão. Identificando-se ainda mais com suas necessidades, a mulher rica disse: Volto amanhã e compartilharei com vocês mais coisas boas que Deus me deu abundantemente!

Ela deixou aquela imagem de necessidade e miséria feliz que o menino a tivesse encontrado.

pela primeira vez em sua vida ele entendeu a razão de sua riqueza. Ele nunca pensou em acabar com sua vida novamente, porque não tinha significado ou propósito.

Quem dá alegria à vida dos outros não pode esconder em si mesmo.

Gálatas 6: 7
Não se deixe enganar; Deus não pode ser zombado: pois tudo o que o homem semear, isso também ceifará.