1 Coríntios 9: 24-27: 24 Você não sabe que quem corre no estádio corre, mas só um ganha o prêmio? Corra de forma que você consiga. Todo aquele que luta se abstém de tudo; eles, de fato, receberão uma coroa corruptível, mas nós, uma incorruptível. Assim, luto assim, não como quem golpeia o ar, mas sim o meu corpo, e coloco-o em cativeiro, para que, por ter sido arauto dos outros, não venha a ser eliminado.

Quais devem ser os objetivos do atleta cristão?

  • Correndo para vencer (V. 24)
  • Viva disciplinado (V. 25)
  • Tenha um destino específico (V. 26)
  • Lute a batalha objetivamente (V. 26)
  • Seja um exemplo no serviço (V. 27)

A quem o apóstolo está comparando aqui?
Qual é a sua característica distintiva?
Para onde Pablo correu e com quem lutou?

1. É comparado com:

  • Atletas dedicados à corrida: "Eu corro assim."
  • Os boxeadores ou boxeadores: "assim luto".

A versão internacional diz “Todos os que competem nos Jogos Olímpicos se submetem a um treinamento rigoroso, fazem-no para receber uma coroa de louros que finalmente murchará; mas fazemos isso para obter uma coroa que durará para sempre. "

2. A versão latino-americana diz: Então eu corro, sabendo para onde estou indo. Eu bati, não no vácuo. Eu castigo meu corpo e o submeto, para que, depois de ter pregado aos outros, não venha a ser eliminado. "

Podemos dizer que aqui estava o sucesso do ministério de Paulo:

  • Ele tinha um objetivo claro e definido.

"Eu corro, não tão aventureiro" "não tão cego" ou "sem rumo". Em outra ocasião, ele disse: "Esforcei-me por pregar o evangelho não onde Cristo já tinha sido nomeado". Todas as suas viagens eram para esse fim.

  • Ele adotou uma disciplina de ferro.

"Eu bato no meu corpo", "Eu forço o meu corpo a me servir." Poderíamos dizer que toda competição é dolorosa. O bom desportista sabe bem que sem dor não terá o prémio. Aqueles que têm sucesso devem suportar o sofrimento a limites incríveis, forçando suas pernas a continuar correndo mesmo quando não agüentam mais.

  • Terceiro, ele teve sucesso porque tinha medo de ser eliminado.

“Para que, depois de ter proclamado outros, não seja eu mesmo reprovado”, “eliminado”, “desclassificado”. Para Paulo, não havia "vitória certa". Ele sabia que tinha que lutar todos os dias porque poderia perder o prêmio. Depois de tanto trabalho, perseguição, insônia, sofrimento e preocupação para que a igreja prospere, isso poderia ser eliminado? Sim. É o que diz o texto.

1 Coríntios 9: 24-27, nos ensina que o importante não é simplesmente participar, mas participar e vencer.

Quando uma corrida é realizada, de qualquer tipo, há um slogan esportivo que não deve ser esquecido, que é “O importante não é vencer, mas participar” e com isso é preciso começar a corrida e mesmo que não ganhe, fique feliz porque participou.

Muitas vezes se acredita que a mesma coisa acontece na fé, que o homem deve se esforçar bastante, caminhando ou correndo pela vida, lembrando que o importante é participar. No texto de hoje, Paulo nos diz que não é esse o caso. O versículo 24 lembra aos crentes que há um prêmio e recomenda: "Corra, de forma que você consiga." Parece antidesportivo para o crente ser recomendado correr para vencer, mas nesse sentido é.

Não estamos falando aqui de salvação, que é naturalmente gratuita e ninguém pode tirar de nós, mas de uma recompensa que receberemos de acordo com nosso comportamento aqui na terra, uma recompensa pela nossa forma de viver a fé que um dia teremos.

Nesse sentido, devemos ser ambiciosos e correr de forma que recebamos o prêmio. Seja tão consistente em nossa fé, nesta vida, que Cristo nos coloque à sua direita junto com os cordeiros que foram fiéis e que receberão sua recompensa.

Como em qualquer corrida, você precisa de preparação. Quem não está preparado não pode seguir carreira. São necessárias técnicas para que a nossa corrida seja rentável e, sobretudo, muita perseverança, para que não sejam esforços específicos que não conduzam a nada, mas um trabalho constante que nos leve à meta, vitoriosos. Você quer ganhar a corrida? Preste atenção aos conselhos que Deus nos dá.

I. Para vencer você precisa de treinamento.

Paulo está usando uma ilustração que os coríntios conhecem bem, esportes. Depois dos jogos olímpicos, seguiam-se em importância os jogos ístmicos que aconteciam no Corinto a cada três anos, dava para ver como os atletas se preparavam para esses jogos, dez meses antes dos jogos todos os participantes se reuniam para começar seus treinos ali. Dava para ver como eles se levantavam de madrugada para poder fazer seus exercícios, como se abstinham de comer algumas coisas com suas dietas especiais, como não participavam de muitas atividades, para que quando chegassem os dias dos jogos estivessem em ótimas condições para participar.

Não é tão estranho, porque podemos ver que hoje eles continuam fazendo isso. Os atletas seguem uma dieta rígida que não devem perder para estar em forma, sacrificam muitos dias para treinar, não vão a certas festas para dormir o suficiente, se abstêm de tudo isso porque querem o prêmio.

Os gregos tiveram uma formação que começou aos sete anos, quando as crianças começaram a frequentar a escola, estudavam disciplinas básicas como leitura, escrita, matemática, música, poesia, dança, aprenderam a tocar um instrumento musical e paralelamente, passaram por maus bocados treinamento físico, luta livre, boxe, corrida, lançamento de dardo e disco. Eles eram os assuntos básicos.

Aos dezesseis anos, os estudos de literatura, filosofia e política foram adicionados. Um treino duro, deixando muitas coisas de lado, para conseguir uma coroa de pinheiro.

O crente também participa de uma corrida e não pode enfrentá-la sem um bom treinamento. Existem algumas coisas que você deve evitar; não porque sejam ruins, mas porque atrapalham e atrapalham minha carreira. O próprio Paulo lembra isso aos coríntios em 1 Coríntios 6:12.

É algo muito importante para nós alcançarmos a meta, vitoriosos, fazer as coisas por autoconfiança. Quem treina para o esporte não dói muito, abstendo-se de certas coisas, porque pensa na vitória que pode alcançar com isso, se abstém porque está convencido, caso contrário, não faria. Porque sabe que seu esforço o levará a conseguir algo melhor e pelo qual anseia.

O cristão que sabe se livrar das coisas que atrapalham sua carreira, chega à meta com direito a um prêmio. Um cristão que pratica a abstinência em público e depois se empanturra de coisas prejudiciais, fica cansado e não atinge a meta.

Muitos fracassam porque embora mostrem uma cara, só então não cumprem e talvez o nosso primeiro objetivo seja estarmos convencidos de que o que fazemos é recompensado e queremos fazê-lo. Nenhum treinamento irá longe se a pessoa que o faz não estiver totalmente convencida.

Os gregos corriam no estádio completamente nus, porque queriam se livrar literalmente de tudo que pudesse atrapalhar a corrida. Eles não tinham vergonha, porque sabiam o que significava poder correr sem impedimentos.

Em nosso treinamento, devemos também aprender a nos livrar das coisas que atrapalham nossa carreira, não por mandato, mas por convicção, entendendo o que estamos fazendo. Qualquer recompensa neste mundo acabará sendo corruptível, seja o que for que colocamos em nosso caminho que dificulte nossa carreira, por mais que nos atraia, um dia acabará.

Porém, não temos medidas para entender a grandeza do que nos espera, algo incorruptível, algo que o próprio Deus nos dará e que devemos almejar, sendo fiéis a Deus em todos os momentos.

II. Para vencer você precisa de certas técnicas

Depois do treino, há algo que também é essencial. Não basta o corredor ter se preparado bem, treinar o corpo para chegar ao limite e se esforçar o máximo possível, agora você tem que aprender a técnica.

Certa vez, vi o relato de um grupo de pessoas que havia desenvolvido um programa de computador capaz de corrigir a técnica de corredores. Aplicaram em um bom corredor que já possuía boa técnica, gravaram sua forma de corrida e inseriram no computador, o resultado foi que ele conseguia ganhar um pouco mais de um segundo corrigindo um pequeno giro do pé direito, o que o fez perder alguns milésimos de um segundo em cada passada. Com um pouco de esforço conseguiu corrigir e, efetivamente, ganhou um segundo e meio, o que o fez quebrar o recorde para seu país.

A técnica de quem corre a corrida da fé é importante, não basta se preparar bem, e só começar a correr, porque vai muito rápido, mas não vai a lugar nenhum. Existem vários tipos de corrida, que não conduzem ao objetivo:

  • Tem aquele que desde o começo quer correr muito.

É ele que quer participar de tudo, que reclama que “aqui não fazemos nada”, que se entusiasma com qualquer mudança, é quem corre muito no início, despendendo todas as suas forças, e depois se esgota.

Você tem que começar devagar, aquecer os músculos, não posso esperar mudar tudo na minha vida de um dia para o outro. Costumes, hábitos, motivações devem ser mudados aos poucos, para que dure o que você faz. Se pretendo fazer tudo de uma vez, ele vai acabar desapontado, sentado no banco da igreja, pensando "que diabos estou fazendo aqui".

  • Depois tem aquele que tem muito espírito e muita força, mas não está correndo na direção certa.

Isso geralmente acontece com quem muda de ideia com muita frequência, hoje, ele é tremendamente fundamentalista, amanhã ele é liberal, mais que um luterano ferrenho, e o outro pentecostal. Pessoas que são como cata-ventos que gastam seu tempo em coisas que não são essenciais, literalmente "pessoas que fogem do controle".

Você já viu alguém correr em um estádio que em vez de seguir seu caminho demarcado, atravessa a grama, sobe nas arquibancadas, salta, sai de uma volta fora do estádio entre cruzar a linha de chegada e finge ter ganho porque ganhou. tornado mais difícil. Este atleta não sabia o que era exigido dele.

Assim é o crente do seu jeito, improvisando, gastando muita energia, mas muitas vezes é uma pedra de tropeço, principalmente para si mesmo. Conheço gente que compra um aparelho de qualquer tipo, tira-o da embalagem e joga fora a caixa com as instruções, porque “são todos iguais” e não conseguem aproveitar ao máximo a compra. Depois reclama do fabricante, que lhe vendeu tudo, porque não consegue fazer funcionar e tudo porque não leu as instruções.
A técnica para correr a corrida da fé é manter o ritmo (versículo 26). A corrida que temos pela frente é longa, mas não nos beneficiaremos se não estudarmos a técnica correta para nela correr. Não vale a pena correr ao acaso ou acertar no ar. E não há sentimento mais desagradável do que passar a vida fazendo coisas que mais tarde serão inúteis. Eles se parecem com aqueles profetas que em Israel são repreendidos porque eles fizeram coisas, muitas coisas, mas Deus não os ordenou, Jer. 14:14.

III. Para vencer você precisa de constância

Existe uma maneira correta de enfrentar essa corrida, e é como nos diz o versículo 27. O segredo de todo bom corredor está na constância de tudo o que faz tanto nos treinos quanto durante a corrida.

É algo essencial na vida do crente, uma constância nas coisas que faz, tanto na leitura diária da Bíblia como na oração, como a comunhão com os outros irmãos em todos os serviços da semana, constância.

Costuma-se dizer que os conflitos do crente começam em seu quarto, em sua privacidade, na falta de constância. Paulo tinha medo de perder a coroa, não a salvação eterna que recebemos pela graça de Deus. Pablo não queria perder seu prêmio, o que receberia pela vida. Eu queria vencer a corrida.

Este é o segredo de uma vida premiada, a perseverança. Quando vemos as coisas belas, ficamos impressionados com aquelas que foram formadas por coisas pequenas e com grande paciência e perseverança. Quem não se espantou ao ver um quebra-cabeça acabado de 20.000 peças, ou um trabalho árduo, como o que normalmente existe em restaurantes chineses onde paisagens complicadas são representadas em enormes murais costurados fio após fio.

Talvez ache que vale mais a pena fazer grandes coisas, obras enormes que duram, mas as mais belas são aquelas feitas com pequenos elementos e com uma constância diária.

No final de seus dias, o medo de Paul havia diminuído. Diz em 2 Timóteo 4: 7-8. Deus quer nos ajudar a ser constantes em nossa corrida e alcançar a meta vitoriosa, e podemos dizer com Paulo: "Combati o bom combate, acabei a corrida, guardei a fé."

Escrito pelo Pastor Isaú Orellana